quarta-feira, 3 de junho de 2009

Recado (X)

Foste o primeiro, e o único, que me invadiu tipo vendaval, não deixando espaço para defesas (esta música fazia todo, tanto sentido). Ensinaste-me algumas coisas sobre mim, há coisas em ti que vou sempre amar. Uma delas é precisamente essa capacidade de me fazer sentir eu, com tudo o que tenho de frágil e de forte. Só eu, descansadamente eu.

A merda é que, por causa disto, ainda não saíste da minha vida. Não recebi um milésimo do que dei, é um facto. Por tudo isso e muito mais, já não te trago no coração, mas é um facto que procuro nos homens que vão cruzando a minha vida rasto do sossego e liberdade que senti contigo, nos tempos tão distantes em que me fazias bem. Procuro esta sensação, é a ela que aspiro, porque só assim me senti confortável com alguém dentro da pele.

Não sei se se pode amar de várias maneiras. Eu não me satisfaço é a amar pela metade. Ou a sentir pela metade.

video

6 comentários:

A Princesa disse...

Esta música, aliás esta letra faz e tem todo o sentido...

Deixo um beijinho grande, que sirva de alguma maneira para te confortar...

mf disse...

Princesa:
Obrigada pela ternura. Sabe sempre bem. Eu preciso é de atinar. Já andei muito, chegarei lá, mais cedo ou mais tarde. ;)

JS disse...

Hummmm, é tão dificil assim...

Todos são diferentes, procura antes o que nunca tiveste.

Um abraço*

mf disse...

JS:
Pois, parece-me que é mais por aí. Aliás, eu NÃO quero, definitivamente um igual. Já me chegou um. Mas a paz que tive até sabia bem...
;)

Pulha Garcia disse...

Minha cara MF,

parte do que dizes desse homem poderia eu endereçar a uma ou duas mulheres que já por mim passaram e que me marcaram em profundidade. O segredo é acreditar (porque é absolutamente verdade) que continua a haver por aí muita malta interessante com características igualmente únicas. Basta estender a mão e ter um pouco de sorte.

mf disse...

Meu caro Pulha:
Eu sei que tens razão... E tenho a impressão que entendes.

Não são as características dele que procuro, porque não quero o que me fez mal. Nunca mais.

Queria mesmo era estender a mão, como dizes, e sentir-me sem defesas outra vez... Só porque é mesmo um sossego não termos de nos esconder de quem sabemos que nos olha até ao âmago e nos ama assim mesmo...

Senti-o uma vez. Talvez tenha sorte e haja uma próxima com alguém que me queira verdadeiramente bem. Logo se vê. :)