sexta-feira, 11 de junho de 2010

Dos filhos que se perdem, dos filhos que se ganham

Conheci a A. quando vivi em África. Muito simples, muito dada, adoptou-me como eu a adoptei a ela e ao marido e à sua filhota, a I. Sempre que brincava e abraçava a pequenina, que tinha a idade das minhas sobrinhas, abraçava em pensamento as minhas meninas, mitigando assim as saudades. Aquilo sempre foi amor mútuo, como aliás acontece geralmente comigo quando lido com crianças. A A. estava grávida, já avançada, e esperava outra menina.

Num dia de sábado de manhã, tinha eu saído com as minhas colegas e recebo um telefonema dela. Aflita, cheia de cólicas, e eu longe, embora já de volta a casa. Pouco depois outro telefonema. A A., sozinha em casa com a filha, tinha entrado em trabalho de parto. Aos sete meses, a bebé nasceu, mas morta.

Foi a primeira vez que lidei com o pesadelo do aborto mesmo ao pé de mim. Um horror, que não há outra maneira de o descrever e que não consigo pôr em palavras, pela solidão e desespero em que ocorreu. Ao chegar à clínica, onde a fomos aguardar, apanhámos a A. a entrar na sala de partos. Lembro-me de um olhar e de uma mão me segurar e me dizer: 'Cuida da I.'

Horas mais tarde, nos braços do pai, a I. agarrou-se a mim. Foi uma tarde passada com ela, a ver as flores e os animais, a tentar sossegar-lhe o medo daquilo que não percebia. Foi nos meus braços que acalmou e deixou que o médico a examinasse por causa da febre que trazia, foi comigo que foi fazer o despiste da malária, foi no meu colo que adormeceu, em casa, foi lá que me contou o que tinha visto (abençoados dois anos que não nos permitem perceber tudo).

A A. voltou, como eu voltei, para Portugal. Sem a filha mais nova, que deixou lá, com o coração completamente amarfanhado. Ainda hoje, no trabalho, uma vela acompanha-lhe o ritmo dos dias. 'Quando a acendo, sinto a minha menina comigo.'

A A. disse-me hoje que está grávida de novo. Um misto de alegria e medo no olhar. Recebeu um abraço, um sorriso imenso de quem lhe quer bem. Para que consiga pôr a alegria onde até há pouco tempo só conseguia sentir dor. Para que consiga viver esta gravidez em paz.

Daqui a sete meses espero escrever aqui que tem um bebé nos seus braços.








E, nem de propósito, ao ir ao 'I Can Read', aparece-me isto à frente...

10 comentários:

Storyteller disse...

Vais ver que vamos estar todos aqui a celebrar o nascimento do bebé da A.
E a celebrar mais nascimentos, que o que nós precisamos é de bebés!
Muito pensamento positivo para a A. e logo logo logo a I. vai ter um maninho ou uma maninha para atazanar a vida!
A imagem é lindíssima!!!
Beijos com saudades!!!

R. disse...

Notícia fabulosa... :)

Rabisco disse...

E que assim seja...
Porque nada será mau, difícil e doloroso eternamente...
Exista esperança...

JS disse...

Espero, do fundo do meu coração, que corra tudo bem.

Um abraço*

Marisa disse...

que tudo corra bem :))

Beijinhos.

mf disse...

Story:
Deus te ouça. Que saudades tuas também!

mf disse...

R.
É entre o friozinho na espinha e a alegria. :)

mf disse...

Rabisco:
Bem que ela é precisa. :)
Abraço para ti!

mf disse...

JS:
Espero que sim.

Abraço para ti também! :)

mf disse...

Marisa:
Hope so!

Beijinhos! :)