quarta-feira, 9 de setembro de 2009

Estes dias

Tenho a impressão de que, com todas as coisas que se têm passado, o meu blog vai começar a ser digno daquela rubrica da Rádio Comercial de nome ‘O meu blog dava um programa de rádio’ (acho que é assim que se chama).

Se não, vejamos. Chego Domingo à noite a uma casa sem água nem luz e carregada de tralha (como é possível que uma só pessoa tenha tanta coisa???).

2ª feira de manhã acordo para uma cozinha de bradar aos céus, que se ‘esqueceram’ de limpar. Toca, por isso, a esfregar e esfregar, que eu não gosto de porcarias e só de pensar em meter as minhas coisas dentro de gavetas e armários naquele estado já me arrepio toda. Chega a luz, depois a água e descubro, entretanto, que não tenho gás. Maravilha das maravilhas, logo me calha a mim, que detesto água fria. Mas também, como o esquentador não funcionava, não me valia de muito. A manhã passou-se assim e, à tarde, resolvi tirar férias das limpezas e marchei para o trabalho. Lá me deram um sítio, mas entretanto descobri que não tenho pc (nem sei se virei a ter) e dentro do gabinete partilhado por várias pessoas há um estrunfe de um sueco que fala por monossílabos (quando fala), não cumprimenta ninguém e se apropriou de um armário inteiro que até queria fechar a cadeado. Deve ser agente secreto ou coisa que o valha, porque não sei que raio pode ter de tão importante quando o que temos todos são livros e papéis sobre coisas que não interessam ao comum dos mortais. Entretanto, à noite, já em casa, descubro que não tenho tv, porque não sei onde raio enfiei o cabo de ligação e ainda não me vieram ligar a tv+net que pedi. Também não houve problema. Entre uma trilogia que andava para ver há muito (abençoado mano e os dvs que me emprestou) e a montagem da mesa da sala, acabei por me deitar tarde. E descobri que tenho jeito para montagem de móveis. Informo todos os que cá virão de que NÃO sobrou nenhum parafuso e a mesa não cairá. Podem ficar descansados. ;)

3ª feira, mais uma manhã de limpezas. Desta vez, aparece-me cá o agente que me arrendou a casa e levou nas lonas, como se diz na minha terra. A vantagem de termos de nos desenvencilhar sozinhos é que aprendemos a defender-nos e eu agora não me calo. Teve azar, o homem, com a inquilina que lhe calhou, porque se há coisa que estou habituada a fazer é partir do geral para o particular e esquadrinhar todos os pormenores. Obriguei-o a ir ver as paredes que lavei, as gavetas ainda por lavar e o que não funcionava como devia ser. Deve ter resultado, porque ficou aflito e combinou logo comigo hora para me virem resolver o problema do esquentador e de umas ligações meio manhosas que não quero que fiquem assim, não vá o diabo tecê-las (eu não sou electricista, mas alguma coisa percebo de fios eléctricos). Pelo meio, mais uma manhã de limpezas, à espera dos homens do gás. Que, quando chegaram, iam sendo levados pela minha vizinha de baixo, uma daquelas velhotas de bairro que passa os dias à janela e sabe de tudo o que se passa nas redondezas, a deixar-lhe as botijas em casa, ‘porque eram para ela e eu tinha dito para lá ficarem’. Sorte minha, a empresa de gás dela não é a mesma que a minha. Senão, estava bem arranjada… À tarde, nova visita ao local de trabalho e um informático que passou aqui como um raio a ligar-me o portátil ao wireless. Tão bem ou tão mal, que continua sem funcionar, mas não lhe pude dizer, porque desapareceu num ápice. Ora, como eu já começo a bufar, não lhe auguro grande sorte, quando for ter com ele daqui a bocado, se se lembrar de brincadeira idêntica. Chegada a casa, mais arrumações (não sei onde tenho nada…) e tempo de descanso. Parar para alguns telefonemas e um filme enquanto estendo as pernas, que me doem imenso.

Hoje, quando acordo, tarde e a más horas, quase me espalho na casa-de-banho (acordei logo), cheia de água. Vinda do tecto, o que significa infiltração. Já não sabia se rir ou chorar. Venho a descobrir que os vizinhos deixaram uma janela aberta e que tiveram direito a uma invasão de chuva durante a noite. E que têm uma casa giríssima, embora meia fantasmagórica, com um corrimão de ferro trabalhado, panos e mobília ao estilo árabe. E gatos, vários, pretos. Tenho a impressão de que vivo por baixo de uma casa de bruxas (onde é que eu já ouvi isto?), mas não dei com o caldeirão. Resultado da brincadeira: toca a limpar, mais uma vez. E como os planos mudaram, ainda não consegui pôr em ordem a cozinha, que continua em pantanas. Apesar de isto já começar a tocar as raias do desespero, o bom que eu tenho é que, em muitas ocasiões, quanto mais difíceis se tornam as coisas, mais eu endureço e finco o pé. Nem sempre é bom, mas às vezes dá jeito, esta coisa do ‘when the going gets tough, the tough get going’. E por isso, depois de horas de trabalho doméstico, nada como tomar um banho quente (finalmente!), pôr um vestido bonito quando tenho por hábito andar sempre de calças e sair para o trabalho. Nem mesmo o ter-me perdido no metro (coisa rara, esta, mas um indício claríssimo do meu cansaço) e ter passado três vezes pela estação de Alvalade (Pfff… Não é assim que me convencem a passar a verde, não, não…) me tiraram o ânimo. E consigo espaço para me rir ainda do facto de ter de preencher um formulário ‘com caneta preta’. Olhe lá, ó senhora… Qual é o mal de ser a azul? Não sabe que é a-p-e-n-a-s A cor?

A semana vai a meio e parece que já vivi imenso tempo aqui. Cruzes… Espero brevemente ter direito a uns dias mais sossegados…

15 comentários:

Requiem disse...

Eu não queria dizer nada...mas a estação de Alvalade não tem nada a ver com o estádio do Sporting... :) :)

Apple disse...

Mulher,

fiquei sem fôlego só de ler...

;)

Bjs

Jane Doe disse...

De facto, gostaria de estar a morar em Lisboa. Com toda a certeza terias ajuda, jantar e massagem nas pernas cansadas:P

Credo, está a ser uma aventura e tanto, mas deixa, porque esses dias mais sossegados virão (Já tenho til´s!!!!!!!) e tu desfrutarás muito deles. É possível viver sem net na é? Mas também é uma seca não é?

Gostei dos vizinhos dos gatos pretos, já não sou a única, e vês, não sou excêntrica.

Resta-me uma nota de rodapé que talvez seja a mais significativa de todo este comentário:

És Grande, e é um orgulho ter-te.

Ah só mais uma coisa... Mas quem é que se perde na CAGADINHA do metro de Lisboa?

(Eheheheheheheh)

R. disse...

Boa, até eu fiquei cansado só de ler! Uma cadeira!, preciso de me sentar!

Então os ouriços também não gostam de água fria? Eu que julgava que eram só os gatos escaldados...

Vai tudo correr bem. Beijo,

R.

Bi disse...

Estive a ler os teus posts. Nem sempre posso, mas hoje fi-lo e fiquei radiante com essa tua mudança.

Para além do mais és uma mulher de armas.

Sabes que pensei que estavas fora de Portugal? Lol. Mas não, isso é tipicamente português.

Não duvido que consigas levar a melhor sobre todas essas intempéries :)

Fada disse...

Mudaste de casa?... ou de planeta?!?!??!

Oh!...

Beijitos e BOA SORTE!!! :D

mf disse...

Requiem:
Ó meuzzzzz amigozzzzzz... Eu sei! Mas convenhamos: passar 3 vezes pela estação de Alvalade e dar de caras depois com a Alvaláxia (raio de nome) não te fazia lembrar o mesmo?

mf disse...

Apple:
Eh eh
Eu quase fico sem fôlego só de viver. Tipicamente eu, a mil à hora... :)
Beijo

Requiem disse...

Não, não fazia...mas eu tb sou de LX :)

mf disse...

Requiem:
Pois nota-se... Quem vive há muito tempo num sítio começa a não ver os pormenores. ;)

mf disse...

Jane:
Eu sou pequenina, cachopa... E só para tua informação, eu NÃO me perdi. Sempre soube onde estava. Distraí-me, que é uma coisa diferente e me acontece muito se estou cansada ou tenho muito em que pensar. ;)

mf disse...

R.:
E eu a pensar que te ia era estimular a correr mais... :D

Esta ouriça detesta água fria... Só de pensar já se arrepia toda. Eh eh

Beijo

mf disse...

Bi:
Eu gosto que passes por aqui. Breve, breve, assim que tiver net, vou à tua toca. Já tenho saudades!

Já estive fora de Portugal e, para te ser honesta, é sempre uma possibilidade. A vida dá muitas voltas, já percebi, e eu não descarto nada, neste momento. Mas por agora fico por aqui. Mais uma experiência, mais coisas para aprender. :)

Eu espero "levar a melhor sobre todas essas intempéries". Às vezes vocês têm uma fé em mim...

Beijo para ti :)

mf disse...

Fada:
Às vezes parece mesmo outro planeta... :D

Beijo e obrigada!

Jane Doe disse...

És nada pequenina!

És Grande, Grande Grande e eu é que sei.

Veja lá se consegue vislumbrar para lá do significado primário da palavra!-.-