sábado, 24 de outubro de 2009

Quando não sei...

...por norma fico calada. Ou talvez tenha aprendido que a ignorância é muito atrevida e que, por isso, mais vale calarmo-nos do que dizermos barbaridades quando não dominamos um assunto. Se há coisa que me irrita são as pessoas que têm opinião sobre tudo, mas que, quando espremidinhas, só sabem dizer meia-dúzia de clichés e nota-se claramente que não se informaram seriamente sobre as coisas. De dislate em dislate, só demonstram que não são o que podiam ser.

Tudo isto me veio à cabeça depois de ler esta opinião, com a qual concordo por inteiro. Eu só peço juízo e bom-senso daqui a uns anitos largos...

4 comentários:

13 disse...

Então convém estimular e estimar o cérebro... :)

R. disse...

Eu, apesar de discordar abertamente da forma como Saramago conduziu as últimas semanas, não vejo com muitos bons olhos um texto escrito num jornal que recorre ao insulto chão.

R.

mf disse...

13:
Podes crer... ;)

mf disse...

R.:
Tenho vindo a aprender que a delicadeza, sendo uma excelente virtude, é um tremendo defeito quando aplicada sem limite. De facto, quem usa e abusa da delicadeza, acaba muitas vezes por ser desrespeitado até ao limite do inconcebível. E às vezes a vontade é a de dizer 'chega'. Acho que foi o que aconteceu.

Não vejo o "insulto chão" que tu vês. A minha mãe sempre disse que 'quem diz o que quer, ouve o que não quer'; o VPV enfia Saramago num saco de estereótipos que poderíamos relacionar com ele, mas o primeiro a fazê-lo foi o escritor. Eu não aceito que ele diga, por exemplo, "na Igreja Católica não vai causar problemas porque os católicos não lêem a Bíblia" (!). E há mais, se leste ou ouviste. Quem se quer respeitado, dá-se ao respeito. É o que acho.