sexta-feira, 3 de abril de 2009

Sonho

Eu agi sempre,
Eu agi sempre para dentro,
eu nunca toquei na vida.
Nunca soube como se amava,
Apenas soube como se sonhava amar.
Se eu gostava de usar
anéis de dama nos meus dedos,
é que às vezes eu queria
julgar que as minhas mãos eram de princesa.
Gostava de ver a minha face reflectida,
porque podia sonhar
que era a face de outra criatura.

Fernando Pessoa


2 comentários:

Princesa (des)encantada disse...

O meu poeta Português preferido. Adoro como ele consegue pôr em palavras simples as coisas que nos parecem mais complexas, numa melodia que torna tudo tão claro. Do que já li do teu blog, acho que, como tu, também é para me afastar disto que eu ando a lutar.

mf disse...

Eu gosto muito de poesia, porque por ela digo o que não consigo dizer de outra forma. O Pessoa tem uma profundidade que a minha profundidade entende...